“Recanto da Poesia” por José Ewerton Neto

                                                           Uma Harpa 

Poema de Nauro Machado, poeta maranhense, de seu ultimo livro

erotica17

O esôfago terminal

  Vaginas são membranas

                         De rosas mais sanguíneas,                    

  Como velhas cabeleiras  

 De anoitecidos himens,

De harpas submarinas

E Luiz Maia achou esta preciosidade e voltei no tempo do avô dele.

As rosas do cume
( Laurindo Rabelo)

“No cume daquela serra
Eu plantei uma roseira.
Quanto mais as rosas brotam,
Tanto mais o cume cheira.

À tarde, quando o sol posto,
E o cume o vento adeja,
Vem travessa borboleta
E as rosas do cume beija.
No tempo das invernadas,
Que as plantas do cume lavam,
Quanto mais molhadas eram,
Tanto mais no cume davam.

Mas se as águas vêm correntes,
E o sujo do cume limpam,
Os botões do cume abrem,
As rosas do cume grimpam.
Tenho, pois, certeza agora
Que no tempo de tal rega,
Arbusto por mais cheiroso
Plantado no cume pega.

Ah! Porém o sol brilhante
Logo seca a catadupa;
O calor que a terra abrasa
As águas do cume chupa.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *