Por Ivo Morganti

ivo

Meninos e, principalmente Meninas;

Estava em casa neste domingo assistindo o Fantástico na hora que o repórter secreto, Eduardo Faustini, estava no ar, mostrando uma matéria sobre o descaso com o dinheiro público em cidades do Ceará. Mulheres esperando mais de um ano por exames vitais em diagnósticos de tumores, suspeitas de tumores etc.. E pessoas sem o menor escrúpulo, verdadeiras famílias de marginais, marido e mulher, mulher e ex-marido, montando empresas de fachada para desviar milhões da merenda escolar. Isso mesmo da merenda das crianças que, muitas das vezes, só tem essa refeição como a alimentação mais nutritiva e indispensável para o dia a dia, para o crescimento com o mínimo de dignidade.

Estamos vivendo em um país que atingiu níveis astronômicos de corrupção. Pessoas dissimuladas, sem o menor senso de cidadania, de humanidade se locupletando nas barbas da justiça, do ministério público que não consegue, ou não quer conseguir fazer nada para evitar essas atrocidades. Em todos os setores da sociedade o negócio no Brasil é “ se dar bem”. Dane-se se existem mulheres, homens e crianças sofrendo com essas atitudes nojentas.

Fui vereador na cidade de São Paulo e cumprindo com minha obrigação saí da Câmara Municipal sem nenhum processo. Isso não é virtude, é obrigação mesmo, mas para meus “nobres” colegas fui taxado de “trouxa” , “otário”. Afinal se todo mundo faz contravenções porque eu não queria fazê-las. Ouvi por diversas vezes – “Se você não faz outro vai fazer”. É assim que pensam os que fazem as leis nesse país e que governam essa nação, independentemente de partido, orientação política ou coisa que o valha. É todo mundo farinha do mesmo saco, Galinha do mesmo ovo.

Isso me enoja, me faz ter a certeza de que somos seres pequenos. Não sou santo, não sou anjo, até porque carregar asas deve incomodar muito, mas não suporto pessoas que querem levar a melhor, doa a quem doer. Uma das maiores mentiras, já ditas pelo ser humano e que muitos tem como verdade é que “os fins justificam os meios” Que coisa mais baixa, rasteira ao extremo.

Perdoem se passo aqui um misto de indignação e ódio, mas é o que sinto quando vejo essas coisas. E quero deixar bem claro que não excluo ninguém dessas atitudes criminosas. Nem o vereador de um pequeno município,  escondido no mais longínquo sertão brasileiro, nem quem está suntuosamente sentado no palácio do planalto, no congresso nacional.

Respondam com sinceridade. Qual a diferença entre matar uma pessoa com uma bala certeira em seu peito para rouba-la e praticar atos inescrupulosos, tirando da população brasileira o dinheiro que muitas das vezes evita  a morte de enfermos que definham em filas nos hospitais e postos de saúde, de quem desvia o dinheiro da educação, da alimentação de nossas crianças menos favorecidas, desnutridas e estudando em condições mais do que precárias.? Sabem qual é a diferença?  Nenhuma. Todos são criminosos perversos, desalmados e de alta periculosidade. E eu ouço desde criança que “lugar de bandidos, de criminosos é na cadeia”, mas na cadeia mesmo. Não na cadeia por alguns meses para depois voltar para casa beneficiado por brechas de leis mal elaboradas, retrógadas que compõem um código penal feito há mais de sessenta anos.

Como pode existir pessoas tão inescrupulosas, mesquinhas, insensíveis a esse ponto. Eu ainda sou um cara que acredito no ser humano, mas confesso que tem horas que desanimo por completo e acho que nem Deus tem certeza de ter feito uma experiência vencedora quando nos criou.

Nos vemos por aqui

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *